Numenéra no Firecast

25 - Nada Aconteceu Feijoada

Sem torresmo porque só tem no interior

[21:03] «!» [23:49] * NPC: <guyan> — Bem, nossa vila tem algumas dúzias de famílias. Eventualmente você acaba sabendo que mora aqui e quem veio de fora. Sobre o condensador, bem, ele não está mais aqui. Foi roubado, aparentemente. *O homem estende a palma da mão para o poço que só tinha um pouco de água agora <>
[21:03] «!» [23:52] <synien> — …Tem algo a ver com uma orbe azul que vimos seguir o curso do rio? Olhava, preocupada para o líder da vila. Se conseguissem recuperar o condensador, talvez pudessem entrar em acordo com o líder da vila.
[21:03] «!» [23:55] * NPC: <guyan> — Uma . . . Orbe azul ? *O rapaz para alguns segundos, uma expressão pensativa — Se eu não me engano, algumas pessoas dizem que uma orba desce o rio Wyr algumas vezes, pouco antes do amanhecer. Eu particularmente nunca vi, e acredito que não tem nada a ver com o condensador. Algumas pessoas disseram terem visto os culpados pelo roubo, mas estamos com um pouco de dificuldade em levar à sério. <>
[21:03] «!» [00:02] <synien> — Bom, talvez devamos investigar mas… Bem… Sei que parece algo estranho porque somos novos, mas é de nosso interesse ajudar a reaver o condensador… E acredito que qualquer ajuda seja bem-vinda a esse ponto. Olhava para o poço, preocupada. — Será que pode nos dar mais detalhes sobre o roubo ou nos dizer os rumores?
[21:03] «!» [00:05] * NPC: <guyan> — Bem, sei que o condensador foi levado enquanto todos dormiam. Mas Miola Broun e Narv dizem ter visto algo. Vocês podem conseguir mais detalhes com eles. Eles acham que umas criaturas biomecânicas invadiram a vila para pegar o condensador. <>
[21:03] «!» [00:06] Ishkur (ahlady) acabou de sair
[21:03] «!» [00:06] >> Sistema RRPG colocou o modo +Jogador em Ishkur
[21:03] «!» [00:06] >> Mendacium colocou o modo +Voz em Ishkur
[21:03] «!» [00:09] <synien> — …Bem, onde podemos encontrá-los? Qualquer pista é válida, se estão no escuro.
[21:05] <jÃo> *olha ao redor, com cara de paisagem

[21:05] <ishkur> olha pra o chão
[21:05] <jÃo> pensa em Evangeline
[21:06] <ishkur> pensa nas pernas de Synien enquanto a resposta sobre onde podemos encontrar as duas pessoas citadas não chega
[21:07] <jÃo> Pensa nos cabelos dourados da Evangeline. Ou eram escuros? Franze o cenho, sem lembrar da cor dos cabelos da Evangeline. Entra em desespero silencioso por estar esquecendo de sua amada, de sua musa inspiradora
[21:09] <ishkur> pensa em como seriam as pernas de Synien por baixo de seu manto tão intricadamente tecido, recheado de bordados. Serão bem torneadas? 100% hidratadas? Com muitos ou poucos pêlos? Mais claras ou mais escuras que seu rosto? Ela usa ciroulas enquanto dorme… *
[21:10] <synien> *Pensando em como a orbe era pesada. Será que era porque a anciã estava dentro dela? Será que Ishkur ou Jão deixariam ela andar em uma de suas garupas? Jão era mais magrinho, mas era o que provavelmente faria, caso pedisse. Ishkur era quem iria prover mais sustento, mas provavelmente só a carregaria na garupa em momentos de necessidade, como uma perna quebrada ou algo do tipo… que não ia acontecer tão cedo, dadas as habilidades naturais dela.

[21:11] <jÃo> Pensando em qual a cor dos olhos de Evangeline enquanto o GM não vem
[21:12] <jÃo> olha a deusa. Pensa que a deusa deve estar com calor por baixo de toda aquela roupa. Sente calor só de pensar nisso. Abre um botão da camisa
[21:14] <synien> Nota que Jão havia olhado para ela fixamente e, com um olhar totalmente sedutor, havia desabotoado um botão da camisa. Ficando com vergonha, virava o rosto de leve, com um sorriso involuntário, corando. Batia as mãos na própria roupa, como se estivesse se ajeitando mais.
[21:19] <ishkur> Nota os dois se olhando e fica visivelmente triste. Eles são da mesma vila, têm uma ligação legal entre si. Olha, ele desabotoou um botão da camisa. Subitamente, se sente com um pouco mais de calor. Tira o cantil de sua cintura e bebe um pouco da água que tem lá. Ainda tem a sensação de engolir em seco. Olha pra o tampinha, disfarçadamente, e depois volta a imaginar as pernas da deusa. Será que são maiores que as pernas de Jão? Um riso começa a lhe escapar ao pensar nessa comparação, e ajeita inconscientemente a calça. “Mas que coisa. Pfff.”
[21:21] <synien> Quando desviou o olhar de Jão, se deparou com Ishkur. Já havia dormido com Ishkur no quarto… Corpo maior, músculos mais definidos… Dando uma batidinha com o próprio cajado no chão, virava de costas para os dois, respirando fundo.BELA DEUSA DA FERTILIDADE QUE FICA COM VERGONHA.”
[21:22] <jÃo> Caramba, que tá acontecendo com Ishkur? Lança um olhar desconfiado: Ele tá coçando o saco??? Tudo bem, Little podia entender aquilo, as vezes sacos podiam ser bem desconfortáveis, e uma ajeitadinha era necessária. Sobretudo quando… Little estreitou os olhos pra Ishkur. Que desaforo, no mínimo aquele herege estava pensando na deusa! Só pode. Ele ia ter que dormir com a deusa dali em diante, pra proteger a honra dela. Aquilo era inadmissível. Fechou a cara pra Ishkur.
[21:31] <ishkur> Olha pra Jão com o riso ainda nos lábios e vê que ele está fazendo uma cara bem fechada em sua direção. “Será que ele é capaz de ler pensamentos e ficou furioso com a comparação? Nah…” E a ficha cai: Estava com as mãos na calça. “OH NO.” “Ele pensou besteira. Ele pensou que eu pensei besteira.” Decide virar o jogo; encará-lo, e fazer uma careta ainda mais feia. “Não gosto de ser encarado desse jeito, afinal. Não fiz nada errado.” *pega novamente o cantil e bebe a água, tentando disfarçar a vermelhidão de seu rosto como calor do clima, e não advindo de outra coisa que começava a se formar em sua mente.
[21:34] <jÃo> Pego no flagra, seu desgraçado! Aquela vermelhidão na face dedurava TODOS os pensamentos impuros de Ishkur em relação a deusa, a única jovem donzela no grupo. Não havia outro alvo, afinal. Little já estava pronto pra levar a mão ao arco quando Ishkur desviou o rosto. fingindo beber água. Little fez um “hum” desdenhoso, e desviou o olhar também.
[21:42] <ishkur> Na maior “cara de nada” do mundo, vê Little levar a mão ao arco pouco antes de beber a água. “Heh. Eu o deixei nervoso de novo. Até que gosto disso. Exceto quando ele realmente me acerta pra valer com uma de suas flechas”, diz, passando a mão de leve sobre uma das nádegas. “Ele deve fazer essa cara feia pra esconder o nervosismo dele. Mas…” Olha pra Synien. “…com ela, ele parece se sentir tão confortável. Queria poder ter esse sentimento, também. De algo que me remeta a meu lar…” Olha pra baixo, respirando fundo. No canto do olho, um manto roxo com ricos bordados balança ao sabor do vento. Um pedaço das batatas das pernas de Synien é mostrado, e Ishkur se lembra da comparação de novo. “Talvez… E se talvez eu puder construir um novo lar?”. Sorri.
[22:09] «!» Guyan, com uma expressão pensativa no rosto, parece estar passando em sua mente quais pessoas ele poderia pedir para o grupo conversar. Ele olha ao redor, abrindo a boca procurando alguém, até achar, apontando e dizendo: “A padeira, Miola, e o açougueiro Narv disseram ter visto algo na noite em que o condensador desapareceu”. Ele aponta para dois lugares. Um deles era uma cabana com uma vitrine com pães. Aparentemente a padeira morava lá e vendia suas coisas do lado de fora da casa. O outro lugar, então, deveria ser a casa de Narv. <>
[22:12] <jÃo> Pão. – Diz devagar, olhando a padaria – Minha mãe fazia uns pães parecidos com aqueles… – Se aproxima da vitrine sem nem se despedir de Guyan, aspirando longamente o ar que vinha da padaria – Até o cheiro era parecido…
[22:17] <synien> -
Obrigada, senhor Guyan. Faremos o possível para descobrir mais sobre o assunto. Então, já se dirigia para a padaria, com Little. Não era seguro deixá-lo solto ali na vila. Ele já havia até adentrado no poço de água potável da vila… Por sorte, já estava seco, ou a água não estaria mais tão limpa.
[22:20] «!» Guyan massageia os dedos uns nos outros, visivelmente preocupado, e apenas se despede. Não era um rapaz muito notável. Quando vocês se aproximam da padaria, o cheiro dos pães é bem visível. Parecem estar frescos. A mulher, Miola, é uma mulher robusta, de meia-idade. Ela está conversando com alguns clientes quando vocês chegam. <>
[22:22] <ishkur> aspira profundamente o cheiro dos pães e o estômago ronca de forma praticamente perturbadora
[22:23] <jÃo> Pára na frente dos pães, olhando-os como um moleque faminto, mas sem se mover pra eventualmente pegá-los
[22:26] «!» A mulher parece bastante ocupada conversando com as outras pessoas sobre assuntos não muito relevantes para perceber vocês ali.
[22:27] <synien> “Foco.” Olhava por alguns instantes para os pães, respirando fundo para sentir o cheiro dos mesmos, logo olhando para a padeira. — Com licença… Senhorita Miola? Teria um pouco de tempo para uma conversinha? Apenas a chamava uma vez, pacientemente esperando que ela terminasse a sua conversa com as outras pessoas.
[22:28] <jÃo> Ou pra me vender um desses pães… – Comenta de forma casual, sem tirar os olhos da comida.
[22:30] ** NPC: <miola> *A mulher gesticula com os outros clientes e termina com um “depois a gente se fala”, antes de se voltar para vocês. Ela faz uma expressão um pouco confusa no início, mas depois assume um sorriso e pergunta: -
Oi! Interessados em comprar alguns pães? A fornada acabou de sair do forno. <>
[22:31] <jÃo> Eu seeeeei – Vira olhos brilhantes pra padeira – Eu to sentindo o cheiro, e ta MARAVILHOSO ¬
[22:31] <jÃo> -Quanto é cada pão? ¬
[22:34] ** NPC: <miola> -
Uma cesta com alguns pães é 1 shin. O suficiente três pessoas comerem o dia inteiro, olha que beleza! Ela diz, gesticulando para cima dos pães. Ela também começa a contar sobre como são feitos, e como os materiais tem qualidade, e vai colocando informação em cima de informação. <>
[22:36] <jÃo> QUERO UMA! – Ele responde logo, puxando o shin da bolsa e entregando pra mulher – Aliás, apesar de os pães parecerem realmente perfeitos, você sabe alguma coisa sobre o treco que fazia água e que desapareceu?
[22:43] ** NPC: <miola> *A moça até toma um mini-susto com a resposta tão rápida e energética, e pega uma cesta do chão. Com um “pegador”, ela vai perguntando quais pães o garoto quer, enquanto diz: -
Olha, menino, não queria falar nada não, mas esse negócio do condensador ter desaparecido tá é dando o que falar, viu? Sabem o que eu acho? Pois EU ACHO que quem deve ter um dedo nisso é a tal da Charmele, viu? Não queria dizer nada não, mas aquela mulher é muito suspeita, com aquela criação de Thyrans dela. Só pode ter sido ela! Ela vende leite, tá vendo só? Na falta de água, as pessoas vão beber o quê? Leite! Aposto que foi aquela ardilosa. Enquanto ela fala, seu rosto se enche de expressões marcantes, adicionando marcas de idade nela. E ela continua falando várias coisas depois. <>
[22:45] <jÃo> Mas a senhora viu alguma coisa? Tipo, quando o treco desapareceu, alguém esteve na beira do poço mais do que o normal, ou algo assim?
[22:45] <jÃo> escolhendo pães e papeando com a padeira
[22:48] ** NPC: <miola> -
Vi! Claro que vi! Vi gente se movendo dentro da casa dela durante a noite do roubo. Certeza que ela estava se preparando para dar um sumiço no condensador! A mulher diz, cheia de certeza. <>
[22:50] <jÃo> Tendi… Bem, olha só. Se a senhora ver alguma coisa mais suspeita, tenta procurar a gente, tá? Estamos atrás desse condensador, porque a gente precisa de um igual pro lugar onde moramos. – Ele sorri, pegando a cesta. – Vamos estar por aqui por um tempo, antes de seguir viagem. Obrigado pelos pães, dona Miola.
[22:52] ** NPC: <miola> -
Sim, claro! Aquela Charmele vai ter o que merece! Ela que nos espere! A expressão dela, porém, se desfaz um pouco. — Vocês precisam de um igual? Hmm. E com isso, outros clientes chegam e ela começa a se ocupar conversando com eles, esquecendo de vocês. <>

Comments

SeanWishart

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.