Numenéra no Firecast

Senta!

[20:11] A mesa está moderada!
[20:11] «!» [01:04] «!» No final das contas, os aventureiros não queriam rolar dados, e ativaram o modo Visual Novel. Os bandidos, sem escolha, foram derrotados. Além disso, durante o combate, Rellin consegue perceber Yami escondida atrás de pedras, também, mais adiante. Ela explica que queria atravessar a ponte, mas tinha medo dos bandidos, e por isso não conseguia voltar pra casa. Como os bandidos foram derrotados por FF, Rellin não teve a oportunidade de fazer nada e voltou para sua criação de Thyrans, enquanto agora o grupo está na ponte com Yami. Fim da sessão.
[20:11] «!» <>
[20:21] <jÃo> Ow. – Ele fez quando a menina apareceu. – Ow, cê tá bem? – Olhava ela de cima abaixo e sacava na hora que o cara das cabras gostava dela.
[20:25] ** NPC: <yami> -
Ah, sim. Quem… São vocês? Obrigada por se livrarem dos bandidos na ponte. Eu não estava conseguindo voltar para casa por causa deles… Yami era uma garota jovem, na casa de seus 15 anos. Sua pele era bronzeada, e sua cara cheia de pintinhas. Seu cabelo era bem curto, escuro, e suas roupas eram feitas de couro com adereços feitos com as pérolas dos Thyrans. Ela possuía um arco nas costas, cordas, e equipamentos de caça. Sua expressão parecia ao mesmo tempo aliviada e preocupada <>
[20:28] <jÃo> A gente tá atrás do negócio que sumiu na vila de vocês, pra poder copiar e levar um igual pra nossa vila. – Ele explicou – Aí disseram pra gente que você tinha sumido e que talvez pudesse saber alguma coisa sobre isso. Aí a gente tava te procurando, e pedimos informação pra ele. – Indica o cara das cabras – E ele disse que você veio pra cá. Aí te achamos. – Faz um gesto de “tã-dã!”.
[20:33] ** NPC: <yami> -
Copiar? E vocês vão copiar como? Ela ajeita as coisas no ombro, e olha para atrás do grupo quando João aponta. — Bem, durante minhas caçadas, eu lembro que vi umas criaturas que nunca vi antes pela região. <>
[20:34] <jÃo> A gente tem uma deusa no nosso grupo, e ela pode copiar, eu tenho certeza – Dizia cheio de orgulho – Criaturas estranhas? Elas poderiam ter pego o negócio de água no poço?
[20:39] ** NPC: <yami> -
Eu… Eu não sei. Pareciam animais. Quatro patas, mas eram diferentes. Tinham partes mecânicas. Eu não sei se eles conseguiriam carregar o condensador. A deosa de vocês deve ser muito poderosa pra conseguir criar uma cópia. <>
[20:39] <jÃo> Ela é – Assegura, afirmando com a cabeça pra dar ainda mais ênfase ao que dizia, com uma expressão séria – Bem… Pode nos dizer pra que lado você viu esses… Bichos?
[20:40] ** NPC: <yami> -
Eu posso leva-los até lá, se quiserem. Ela parece sorrir. <>
[20:41] <jÃo> O que vocÊs acham? – Olha a party – Vamos com ela investigar isso, ou ainda falta alguém na nossa lista de gente que devemos ver?
[20:45] <synien> -
Uh… Foi pega um pouco de surpresa pela fala dos “poderes”. Não tinha certeza se conseguiria copiar a máquina perfeitamente em pouco tempo, não sabia que materiais iria precisar, então apenas ficou em silêncio nessa parte da conversa, não se pronunciando. “Bom, talvez eu consiga aprender o suficiente do artefato para conseguir ajudar a vila.” Então era trazida de volta de seus pensamentos com a nova pergunta. — Uh… Eu acho que a vila está muito dividida com esse problema, todos estão apontando uns aos outros e ninguém sabe realmente o que fazer. Talvez essa aparição dos animais estranhos seja a pista mais fiel que obtivemos até agora.
[20:49] <ahlady> – Olha, podemos fazer ambos. Porém, na minha opinião, creio que precisemos fazer mais uma coisa: avisar a seus pais que você está bem. acenou para o rapaz dos Thyrans – Ei, você. Caso não se importe em não acompanhar-nos mais, poderia avisar aos familiares da Yami que ela está viva e bem?
[20:53] <ahlady> [após a correção] Se o local não for muito longe daqui, podemos ir agora. Caso contrário, voltamos após pelo menos passarmos em sua casa contigo. O que acham?
[20:53] <jÃo> Bem. Podemos escoltar ela pra casa também, depois. – Dá de ombros – Vamos ver os bichos. Mostra pra gente. – Sorria pra menina.
[20:55] <ahlady> Falo apenas pela preocupação deles. Bem, com sorte, aquele rapaz pode ter ido fazer isso já.
[20:55] <ahlady> Vamos ver essas criaturas estranhas então.
[20:58] ** NPC: <yami> -
Depois de investigarmos essas criaturas eu volto pra vila. Minha família pode esperar mais um pouco, não é como se eu não tivesse passado mais de um dia fora de casa, também.
[20:59] <synien> — Bom, se eventualmente eles vierem atrás de nós, Rellin pode avisá-los que já está bem. Dava um sorriso, feliz por finalmente ter uma pista que não fosse “foi fulano pq eu acho que sim”.
[21:12] «!» Yami diz que o caminho vai levar uma ou duas horas, e que talvez não dê tempo de voltar para a vila ainda hoje, caso não queiram viajar durante a noite. Durante a ida, ela também comenta que as criaturas que ela viu eram peculiares, como se fossem máquinas agindo como animais. Depois de um tempo, seguindo perto do rio poluído, vocês começam e ver, com dificuldade (pois está escurecendo), o que parecem ser ruínas muito antigas, completamente cobertas por vegetação. No meio delas, uma colina que parece fazer parte. Na frente da coluna, uma abertura que parece uma caverna. <>
[21:17] <jÃo> Nós não temos que entrar aí, né? – Ele questiona a jovem, olhando a abertura suspeita.
[21:18] «!» -
Eu não sei. A direção geral em que eu vi as criaturas virem foi essa. Pode ser que elas tenham vindo de dentro, pode ser que não. <>
[21:19] <jÃo> Olha o grupo – Vamos entrar? – Já vasculhava a bolsa em busca das bolas brilhantes.
[21:21] <ahlady> – Vamos. Porém, como Yami não sabe se vieram de dentro, podemos ficar um tempo na região próxima à entrada da caverna pra averiguar isso.
[21:29] <jÃo> Little se abaixou pra olhar, e franziu o cenho. Chamou a menina com um aceno – Dá uma olhada aqui. Você é caçadora, não é? Me ajuda a tentar encontrar alguma pegada, ou algo assim, que nos dê uma direção.
[22:11] «!» A garota se agacha. Põe as mãos no chão, aproxima o nariz e cheira. Ela olha ao redor, e tira da sacola um globo de luz também, acendendo-o. Ela percorre o chão, se levanta, e se aproxima da beirada da entrada da “caverna”. Pela luz do globo, é possível ver que o lugar é bem aberto, e que há bastante espaço livre dentro. Parece ter algo no centro da boca da caverna, também, mais para dentro. Yami passa as mãos pelas paredes metálicas das ruínas e parece perceber algo. Um tufo de pelos. Ela diz que não o reconhece de nenhum animal da região. <>
[22:13] <jÃo> Essa menina é boa – Little diz, erguendo-se e olhando a garota – Devíamos recrutá-la. – Comentou suavemente, e foi seguindo pra dentro da caverna, agitando o próprio globo de luz para acendê-lo.
[22:14] «!»
[22:17] ahlady (ahlady) acabou de sair (Ghost – conexão fantasma derrubada)
[22:17] >> Sistema RRPG colocou o modo +Jogador em ahlady
[22:18] >> Mendacium colocou o modo +Voz em ahlady
[22:19] ahlady (ahlady) acabou de sair (Ghost – conexão fantasma derrubada)
[22:19] >> Sistema RRPG colocou o modo +Jogador em ahlady
[22:19] >> Mendacium colocou o modo +Voz em ahlady
[22:26] <jÃo> indo pra portados fundo da caverna
[22:26] <jÃo> procurando mais pelo de saco pelas parede
[22:27] <jÃo> -Cês tão sentindo um cheiro de saco azedo?
[22:27] <ahlady> – Não sou capaz de opinar sobre esse tufo de pelo – disse Ishkur, olhando para os demais membros do grupo. Olhava pra Synien e, pela expressão dela, notava-se que a mesma também não sabia de nada a respeito.
[22:27] <jÃo> fareja as paredes mantendo uma distância segura delas
[22:28] <jÃo> -Deixa esses pentelhos pra trás. – Faz um sinal pro resto do grupo – Vambora.
[22:29] «!» Vocês ouvem barulhos vindos de dentro da caverna. Passos de algo pequeno. <>
[22:29] <synien> -
Mas o que… Olhava pra Jão, surpresa, mas não continuava. Apenas prosseguia. — Só espero que não sejam criaturas agressivas. Talvez a presença do aparelho tenha interferido de alguma forma na parte mecânica delas… Ponderava pensativa, já dando uma leve batida com o cajado no chão, para tornar seus escudos visíveis. Não estavam em um local seguro, afinal.
[22:30] <ahlady> rolou os olhos após a pergunta claramente deselegante do pirralho – Deixe eles pra trás, Jão. E com isso eu digo pra não mexer neles. Com sorte, se encontrarmos mais, podem ser um rastro pra a gente.
[22:31] <jÃo> Tem rato aqui, vocês ouviram? – Questionava ouvindo o barulho dos passos pequenos. – Você quer encontrar mais pentelho, Ishkur? – Esboçava um sorriso debochado – Imaginei que você fosse um pela-saco mesmo.
[22:33] <ahlady> – Não. Você é um pente lho pentelhudo o suficiente – replicava Ishkur, em tom igualmente debochado – E teria o maior prazer em pelar você se for pra parar de encher o meu saco.
[22:35] <jÃo> -A questão é só que eu sou mais útil. – Ele respondia andando pro interior da caverna – Então quem pentelha é você. Além de ser inconveniente o bastante pra sempre entrar na frente das minhas flechas. E… Tem uns bagulho aqui… – Para, ouvindo os sons estranhos.
[22:36] «!» Duas criaturas se aproximam de dentro da caverna, cada uma de um lado.
[22:38] «!» Elas emitem sons e luzes uma para a outra. Parecem estar conversando e observando vocês. <>
[22:39] <ahlady> – Claro que é mais útil… só que como isca. Já será útil pra isso agora, se duvidar. – responde, rindo.
[22:39] <jÃo> dá de ombros – Pelo menos eu faço alguma coisa. – Puxa o arco, mirando num dos bichos, sem atacar. – Faz você também, faz.
[22:40] «!» Quando João empunha o arco, as criaturas se abaixam e ficam ariscas. Os sons de máquina ficam muito mais rápidos. <>
[22:41] «!» Um delas corre para dentro da caverna. <>
[22:41] <jÃo> -Ué?
[22:42] <ahlady> – Parabéns, você acaba de espantar criaturas que não nos atacaram do nada e que estavam só paradas interagindo uma com a outra. Bravo. palmas irônicas
[22:42] <jÃo> -Se elas tivessem atacado eu estava pronto. Não sei se você lembra, mas nem tudo no mundo é simpático. – Lança um olhar feio pra Ishkur.
[22:43] «!» Quando Ishkur bate as palmas, a criatura parece voltar a atenção dela à glaive. Os sons de máquina já cessaram. <>
[22:43] <jÃo> -Tem uns bichos que atacam do nada ¬¬
[22:43] <synien> -
São criaturas meio mecânicas… Estavam nos analisando e agora nos consideram uma ameaça. Provavelmente a que correu foi buscar reforço. Olhava, preocupada, para a criatura restante. — Mas talvez ainda possamos… Interrompia a fala, notando a mudança do comportamento da criatura.
[22:43] <ahlady> – Eu sei, eu ando com você o tempo todo, e nem eu nem as criaturas aí te achamos simpático.
[22:44] <jÃo> Sem mim você não tinha saído nem daquele encontro com o Glebla bla ou seja lá qual for o nome dele. Tinha ficado lá, e a deusa tinha morrido lá mesmo, como a Nova.
[22:45] <jÃo> guarda o arco e se abaixa pra criatura – Ei. – Chama. – O que é você. – Estende a mão, como se pretendesse tocar o bicho, mas não faz movimento de se aproximar.
[22:45] «!» Uma nano ilusionista, a muitos quilômetros de distância, espirra. <>
[22:45] <ahlady> – Certeza que eu não morri? Porque a sua presença pra mim já me faz sentir que tô no inferno.
[22:46] <ahlady> – Agora, a coisas REALMENTE importantes – se dirige a Synien e Yami – qual a impressão de vocês sobre essas criaturas?
[22:46] <jÃo> -Você estaria de verdade, sem mim. Mas, como a minha mãe dizia, incomodados que se retirem. – Nem olha mais pra Ishkur. Fica de olho no bicho
[22:46] <jÃo> faz barulho de chamar cachorro -tch, tch, tch
[22:47] <ahlady> deixa Jão falando sozinho
[22:47] «!» Quando o arco foi guardado, a criatura parece relaxar um pouco mais sua postura. Ela responde com piados e chiados. <>
[22:48] <jÃo> Sem resposta de ataque, Little se aproxima devagar do bicho, ainda com a mão estendida em um gesto de paz e de quem pretendia tocar o bicho. Aquilo não tinha nem boca… – Você não é um menino mau, é? – Para bem perto do bicho, esperando que ele faça o resto do caminho.
[22:48] <synien> -
Acho que são amigáveis e estão confusas. Como não são daqui, talvez realmente algo no condensador pode ter interferido nos sensores delas… Ou alguém, afinal, podem não ser relacionadas ao condensador. Olhava para a interação Jão-Robozinho, com um pequeno sorriso no rosto. Parecia estar dando certo.
[22:51] <ahlady> — Agora entendo porque te chamam de Deusa – diz a Synien. — Precisa ter uma paciência divina pra conviver com esse diabo e ficar com essa expressão serena…
[22:51] <jÃo> Me ame menos – Diz por cima do ombro.
[22:51] ahlady (ahlady) acabou de sair (Ghost – conexão fantasma derrubada)
[22:51] >> Sistema RRPG colocou o modo +Jogador em ahlady
[22:52] >> Mendacium colocou o modo +Voz em ahlady
[22:52] «!» A criatura, mesmo sem cabeça, parece dar uma olhada para trás. Uma nota alta é tocada, e vocês começam a ouvir mais sons de patas. As outras criaturas, porém, se mantém nas sombras, e a troca de chiados recomeça. De vez em quando alguma luz se acende e apaga na escuridão. A criatura não se aproxima de você, mas ela relaxa mais um pouco, aparentemente. <>
[22:55] <jÃo> – Que bicho sem graça. Deve ser porque não tem nariz pra cheirar a gente – Ele diz, se erguendo. – E aí, o que a gente faz agora?
[22:59] ** NPC: <yami> -
A deusa de vocês não consegue entender o que as criaturas estão falando? Não parecem ser agressivas… <>
[23:02] <ahlady> Sussurrando pra Yami – Ela não é uma deusa de verdade. Só é cultuada como uma, no lugar de onde eles vieram. Mas é uma ótima nano, isso eu garanto.
[23:02] <jÃo> Não questione as habilidades da deusa. – Franze o cenho pra menina.
[23:03] «!» Yami olha para um, depois para o outro, e prefere ficar calada para não perder o foco na situação. <>
[23:03] <synien> -
Ok… Aparentemente esse… bando se alojou aqui, mas por que motivo? Se aproximava da criatura que Jão estava “fazendo amizade”, imitando os movimentos de Jão. Queria analisá-las melhor. Se fossem robôs, saberia como lidar. Se fossem animais-cibórgue/algo do tipo, estaria um pouco fora da sua alçada. Assim, tentava “sentir” os nanorobôs das criaturas. Caso conseguisse tocá-las por mais tempo, poderia tentar descobrir traços melhores pra definir se eram “vivas.”
[23:05] ahlady (ahlady) acabou de sair (Ghost – conexão fantasma derrubada)
[23:05] >> Sistema RRPG colocou o modo +Jogador em ahlady
[23:05] >> Mendacium colocou o modo +Voz em ahlady
[23:07] «!» A criatura inclina a cabeça levemente, e começa a conversar com outras na escuridão. Ela faz um leve sinal de negação com a cabeça e sai. Outra criatura aparece de dentro da escuridão e toma o lugar dela, sentando no chão. Synien percebe que existem dez focos próximos de numenera, incluindo a criatura que estava sentada ali, e que alguns lugares da estrutura possuíam um fluxo de energia, também, diferente. <>
[23:10] <synien> — … São 10… e recebo sinais diferentes do comum… Falava pausadamente, procurando ajustar o tom de voz pra não alarmar as criaturas. Quando a segunda criatura assume o posto, estendia novamente a mão para ela. Se recebesse outro sinal de negação teria que recorrer a outros métodos para verificar o propósito das criaturas.
[23:12] «!» A criatura se aproxima, mas fica fora do alcance de sua mão. Ela olha para sua mão, para você, e emite mais sons de máquina. Ela começa então a dar uma volta ao redor do grupo, lentamente. <>
[23:14] <ahlady> mantinha-se em guarda, mas decidiu não empunhar nenhuma arma, o que não impediu Ishkur de checar rapidamente se a flail e as adagas estavam em seus devidos lugares, passando rapidamente as mãos pelo corpo
[23:17] <synien> — Não consigo determinar se são vivas sem poder tocá-las. Olha para o grupo, pensativa. — Posso alarmá-las se tentar utilizar o poder curativo. Olhava para elas, pensativa. — Hmmm. Estendia a mão para a criatura, deixando-a brilhar por alguns instantes, mas sem se aproximar mais da criatura. Talvez ela conseguisse sentir a energia pacífica de sua mão e resolvesse deixar contato. De qualquer forma, apenas ficava ali, deixando a mão à mostra
[23:20] «!» A criatura inclina a cabeça, ainda fora do alcance. O painel que é sua “cabeça” brilha também, e depois apaga. <>
[23:21] <ahlady> — Synien, você disse que tinha sentido 10 criaturas. Acha que consegue guiar-nos até onde as demais estão?
[23:27] <jÃo> Que bicharada sem graça. – Diz, e vai rumando pro fundo da caverna.
[23:28] «!» A criatura mais próxima apenas observa você passar. À medida em que você avança com o globo, ele revela que a passagem está bloqueada por mais nove das criaturas, dispostas em um semicírculo no meio do caminho. Elas trocam alguns barulhos entre si, e lhe observam, sentadas. <>
[23:31] «!» As criaturas abrem caminho para João, sentando paralelas às laterais das ruínas, apenas observando e trocando sons. <>
[23:31] <jÃo> -Eita. – Diz, e vai indo. Deixando os outros no escuro. u.u
[23:32] <synien> -
Bom, creio que estão mais além da caverna… onde Little está indo agora. Com cuidado, começava a seguir Little. — Creio que não farão nada conosco enquanto não os ameaçarmos… Ou, se forem mais animalescos, enquanto não invadirmos algum território especial pra eles…
[23:36] <ahlady> segue Synien, assegurando-se de que consegue ver Yami e sua bola de luz perto deles
[23:39] «!» Vocês começam a caminhar mais para dentro das ruínas. Durante o caminho, vocês percebem algumas poças de um líquidos denso e amarelado, com uma cor muito parecida com a do rio poluído que corta a região. Por cima de vocês, muitos canos, alguns vazios, alguns quebrados, mas um ou outro parecem ter movimentos de fluidos dentro. >>>
[23:41] <synien> — Canos? Yami, sabe nos dizer algo a respeito desse lugar? Ou, por acaso, se seus pais ou alguém na vila alguma vez comentou sobre o que havia nas proximidades antes do vilarejo se alocar? “E pra onde vão esses canos? Achei que era uma caverna natural qualquer.”
[23:45] * NPC: <yami> — Bem, o pessoal da vila não vem muito para esses lados. Acho que me lembro de terem falado sobre essas ruínas alguma vez, sobre como não deveríamos vir para cá porque o lugar tem muito risco de -
[23:46] «!» Uma das criaturas avança na frente de vocês e corta o caminho, impedindo a passagem. Poucos instantes depois, vocês começam a sentir tremores, e um barulho alto de metal rangendo. Uma parte da parede da ruína desaba e destroços de metal e sintético atolam metade do corredor. O tremor ainda continua, com uma potência bem mais baixo, durante vários minutos depois.
[23:46] *
NPC: <yami> – desabamento… <>
[23:47] <jÃo> Obrigado por dizer isso antes de entrarmos. – Lança um olhar feio pra menina – E obrigado por ter parado a gente – Diz pro bicho, fazendo uma reverência leve.
[23:50] <synien> -
Hmmm… Olhava bem para os canos ao redor e para o local aonde pretendiam ir, já se concentrando nas energias ao redor. Queria sentir se o tremor era algo natural ou se havia chance de ser alguma numenera feita para afastar exploradores.
[23:51] «!» A criatura faz alguns pios robóticos, e imita a mesma reverência que João faz. Synien não sente nada de diferente de antes.
[23:51] <jÃo> ~OOOOOOOOOWNT 0
[23:55] Intellect de Synien: 1
[23:57] «!» Aparentemente aquele desmoronamento não havia terminado. Quando Synien tenta “sentir” se o tremor era algo natural ou não, ela não percebe que rachaduras haviam se espalhado pelo teto, e que mais destroços estavam caindo em cima de sua cabeça. <speed>
[23:59] «!» Mas a sincronia da nano com o ambiente a deu um alerta prévio, e ela consegue sair do caminho antes que a enxurrada de sintético tampe de vez o túnel em sua frente. Se quisessem continuar, teriam que limpar os destroços. Duas das criaturas sobem pela pilha, e começam a conversar entre si. <>
[00:01] <jÃo> *suspira, assustado pela reação rápida da deusa. Depois de se certificar que ela estava realmente bem, e que não tinha sido atingida por nenhuma pedra, Little começa a cavar, para tirar as pedras do caminho e poder continuar.
[00:02] <synien> -
Por mais que pareça perigoso… eu gostaria de explorar mais da caverna. Esses tremores acontecem só aqui, Yami? Olhava para ela, esperando alguma resposta. Estava com a respiração ofegante pelo movimento rápido, ainda impressionada consigo mesma.
[00:03] * NPC: <yami> — Desculpa, eu não sei. Para mim eram só boatos que eu respeitava. Sempre evitei vir aqui. Parece que os avisos eram justificados… <>
[00:13] <synien> “… É, é perigoso demais.” — Mas bem… Essas criaturas não estavam aqui antes, ou alguém teria notado… *Observava a criatura com bastante intensidade. Sentia uma energia diferente delas, mas não sabia em que aquilo ajudava.
— Por que estão aqui? Será que você sequer tem alguma diretriz?Perguntava, sem muita esperança, mais para si mesma do que para a criatura.
[00:15] <jÃo> Senta, frustrado por não conseguir remover as pedras – Eu acho melhor nós voltarmos. É perigoso demais ficar aqui. Pode desmoronar de novo, e dar na cabeça de alguém. – Lança um olhar significativo pra Ishkur, enfatizando o “alguém”.
[00:15] <ahlady> — Eu não acho prudente continuarmos perambulando, até para nossa segurança – disse Ishkur. – Mas estas criaturas também me intrigam. Se a gente pudesse atrai-las para fora da caverna pra poder observar e tentar dialogar melhor com elas…
[00:16] <synien> — Bom, parece que Little ganhou a afeição delas… Talvez alguma delas queira acompanhá-lo… ou todas.
[00:16] <ahlady> continua ignorando veementemente o tampinha que há segundos estava chafurdando nos fundos da caverna e mudou de opinião do nada por causa de Synien
[00:17] <jÃo> Olha os bichinhos – E aí, vocês vêm? É perigoso ficarem aí. – Ignora com igual veemência a voz na sua cabeça que agora canta a altos brados “E É DE BATALHAS QUE SE VIVE A VIDAAA
[00:18] <jÃo> vai descendo dos entulhos e iniciando o caminho de volta u.u
[00:20] <synien> Dava alguns passos para fora da caverna, procurando chamar as criaturas com gestos. Não conseguia se comunicar com eles, afinal. “Se nenhum vir, talvez eu possa fazer algum showzinho de luzes…”
[00:21] «!» Só duas das criaturas os acompanham para fora da entrada das ruínas. O restante fica lá dentro, e eventualmente some na escuridão fora do raio do globo de luz. <>
[00:22] <jÃo> uma vez do lado de fora, o moleque se abaixa e acaricia o pelo de uma delas – Obrigado pela ajuda.
[00:25] <synien> — Essas são as únicas criaturas ou coisas fora do comum que viu, Yami? Sem dúvida, foi uma grande descoberta. Parecem pacíficas e meio perdidas, por isso não me surpreende que tenham alguma conexão com o ocorrido na vila, considerando que são um tanto mecânicas.
[00:25] «!» De início a criatura se acua, mas parece deixar. Ela não esboça nenhuma reação, porém. Apenas se comunica com a outra por alguns instantes. <>
[00:26] * NPC: <yami> — Fora os bandidos na ponte, sim. <>
[00:26] <jÃo> Eu queria saber de onde vem e pra onde vão aqueles canos que tinha dentro dessa caverna, isso sim.
[00:27] <synien> -
Talvez outras pessoas possam nos dizer a respeito disso. Imagino que o prefeito ou algum morador antigo da vila deva poder nos ajudar… Mas ainda temos mais investigações a fazer. E temos que ver como as criaturas vão reagir às pessoas no vilarejo…
[00:28] <jÃo> *olha ao redor, mas tá escuro
– Nós podiamos acampar por aqui, e dar mais uma olhada ao redor amanhã, quando estiver claro. Tem que ter mais alguma coisa aqui. Alguém construiu aquelas coisas lá dentro, e teve um motivo pra isso.
[00:29] <synien> — Talvez haja alguma coisa nos canos e naquele líquido… Ou nas paredes daquele lugar, não prestei muita atenção aos detalhes, confesso. Estava mais preocupada com a “ameaça” das criaturas.
[00:30] <jÃo> Concorda com a deusa, com um aceno – E com o desabamento, claro.
[00:32] «!» Vocês chegam rapidamente à conclusão de que a maior parte do Nono Mundo foi feita por algo ou alguém, e que tinha um motivo. Mas que vocês provavelmente nunca irão saber. Kek.
[00:32] <ahlady> — Yami, você tem suprimentos suficientes para passar a noite aqui, acampando conosco? – Ishkur pergunta, entre outras aleatoriedades, enquanto Jão conversa com Synien.
[00:32] <jÃo> *iluminado com uma sapiência superior, ele percebe que realmente deve haver um motivo, mas que ele não vai saber qual é, e que deve voltar pra casa e se encolher em posição fetal embaixo da cama

[00:33] * NPC: <yami> — Ah, tenho sim. Sou uma caçadora, afinal. *Ela dá uns tapinhas na sacola que carregava.
[00:34] <synien> — …E vocês, criaturinhas… Eu vou descobrir pra que servem, mas depois de um bom descanso… “Talvez haja alguma coisa sobre vocês em meu livro, ou sobre essa energia estranha que vocês têm.”
[00:37] Speed de JÃO: +4
[00:38] XP de JÃO: +1
[00:38] <ahlady> — Ótimo – responde Iskhur, completando – mas caso precise de alguma coisa, bastar nos chamar. Só recomendo que chame ele por último aponta pra Jão porque ele não bate muito bem do juízo, mas se for pra ser isca de algo ou bobo da corte, ele é o ideal.
[00:39] Intellect de Synien: +10
[00:39] XP de Synien: +1
[00:39] <jÃo> Me ame menos – Retruca, já se largando no chão perto dos “animais”.
[00:40] XP de ahlady: +1
[00:42] «!» Yami tira uma cuia de dentro da sacola, e põe no chão. Ela desliza o dedo por baixo, e a cuia se acende. É como se fosse uma luz cilíndrica com alguns centímetros de altura. Parecia emitir calor. <>
[00:44] «!» Ela também tira uma embalagem da sacola, e usa uma espécie de alicate pra segura-la. Ela coloca a embalagem em cima da “luz”, e um cheiro de algo cozinhando começa a se espalhar. <>
[00:45] <jÃo> assistindo a pirralha com interesse
[00:46] <ahlady> montando a tenda de Synien enquanto o estômago ronca, após sentir o cheiro do que está sendo cozido
[00:47] <synien> Uma vez que Jão já havia feito um toque na criatura, estendia a mão para a outra das duas, pensativa. Se pudesse tocar mais nela pra entender mais do funcionamento… Elas tinham que haver algum motivo para terem migrado… “Que elas recebem sinais certamente recebem… se comunicam à distância, afinal. Hmm. Consigo sentir a energia delas diferente… mas será que com elas mais próximas eu consigo descobrir mais?”
[00:47] <jÃo> acaricia um dos bichos distraidamente – Você deve saber onde está o negócio que faz água limpa, né? Podia me dizer. – Diz pro cachorro mecânico, como quem não quer nada.
[00:49] «!» A criatura parece estar atenta. De vez em quando as duas trocam sons, e mudam de lugar, rodeando o acampamento.
[00:54] <synien> -
… Oh! “Reação ao estímulo visual… Hm.” Com um estalar de dedos, faz aparecer uma pequena poça d’água ilusória (Hedge Magic). Queria só ver como as criaturas reagiriam a isso.
[00:56] <jÃo> inclina pra olhar o que a deusa tá fazendo, e pensa: CARALHO, A DEUSA É FODA MESMO, ELA NEM PRECISA DO CONDENSADOR
[00:58] <ahlady> *olha pra o que tá acontecendo, bebe um gole da água que trazia consigo, e se volta ao que Yami está cozinhando

[00:58] <jÃo> volta pros bichos – Bem, vocês parecem ser meio inteligentes. Vamos ver. SENTA!
[00:59] «!» As duas criaturas param e olham diretamente para a imagem da água. Elas começam a conversar entre si durante alguns instantes. Um deles escava um pequeno buraco no chão, e o outro enche o buraco de água. A água parece vir da região da cabeça, como se fosse um jato. <>
[00:59] «!» Porém, elas ignoram completamente o comando de João.
[01:01] <jÃo> aproxima pra olhar, mete a mão na água e cheira
[01:01] «!» Tem aparência de água.
[01:01] «!» Tem textura de água.
[01:01] «!» Tem cheiro de água.
[01:01] «!» Parece água.
[01:01] <jÃo> BEBE
[01:02] «!» Tem gosto de água.
[01:02] «!» Terrosa.
[01:02] «!» Porque tu bebeu água com terra.
[01:02] <jÃo> Olha, isso não parece um esgotão…
[01:03] <jÃo> coloca as mãos em concha na frente de uma das criaturas – Dá água pra mim, bichin
[01:05] «!» Novamente, eles parecem se comunicar entre si. Depois de alguns instantes, a criatura encosta a cabeça em sua mão e jorra água até transbordar.
[01:05] <jÃo> E, mais uma vez, ele bebe a água com gosto de água
[01:05] «!» Cê tem 99% de certeza de que é água. Filtrada.
[01:06] <jÃo> Olha a menina Que aparência tinha esse condensador de água?
[01:06] <synien> -
… Elas reagem a água… Yami, elas estão ligadas ao condensador de alguma forma! Olhava, surpresa. — Achamos uma pista!
[01:08] * NPC: <yami> — Era uma numenéra grande, desse tamanho – *Ela faz uns gestos com a mão. — Parecia uma mistura de cilindros cheios de furinhos. <>
[01:10] <ahlady> — Acha que poderia desenhar ela pra as criaturas, Yami? – pergunta, entregando um graveto e indicando o chão.
[01:10] <ahlady> — Com sorte, elas sabem de seu paradeiro…
[01:11] <synien> — Creio que eu posso fazer melhor… Prestando bastante atenção na descrição de Yami, procura fazer uma miniatura dela com suas ilusões pequenas. Poderia simplesmente corrigir com a ajuda de Yami caso não ficasse parecida.
[01:11] * NPC: <yami> — Posso, sim…
[01:12] «!» Yami olha a imagem que Synien fez, mas como estava cheia de erros, resolve fazer um desenho no chão. As criaturas observam o desenho, se entreolham, e começam a desenhar também.
[01:13] «!» Uma delas se desenha, de perfil, e risca uma seta saindo do condensador e indo para dentro dela.
[01:17] <jÃo> *copia o desenho do bicho, e desenha outro, bem maior, com um ponto de interrogação

[01:21] «!» Ele risca seu desenho.
[01:21] <jÃo> mostro a língua pra ele
[01:21] <jÃo> :<
[01:26] JÃO (AngelM) acabou de sair

Comments

SeanWishart

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.