Numenéra no Firecast

Pião da Felicidade

[19:20] «!» [23:55] «!» A janela é quebrada, os cacos de vidro caindo para dentro. O barulho ecoa pela ala velha e eventualmente some. Einar pula de susto ao ouvir. <>
[19:20] «!» [23:56] <jão> OPA, Deu certo! – Aproxima da janela, enrolando o pano de um casaco recém puxado de dentro da bola na mão e quebrando o resto dos cacos, pra depois enfiar a mão pelo buraco no vidro e tatear em busca de um “fecho” pra janela.
[19:20] «!» [00:01] «!» João consegue quebrar o vidro e limpar os cacos. A janela não tem fechadura, mas tem espaço o suficiente para se passar por ela. <>
[19:20] «!» [00:03] <jão> Invade o lugar pelo buraco e ruma pra porta, para tentar abri-la por dentro
[19:20] «!» [00:04] «!» João percebe que a porta está trancada por dentro também. <>
[19:20] «!» [00:04] <jão> -AE, CÊS VÃO TER QUE FICAR PRA FORA OU ENTRAR PELA JANELA, AQUITRANCADO. – Berra, olhando logo pra dentro do lugar
[19:20] «!» [00:06] <ishkur> Suspira Já que a casa não está mais inteira, né… Olha pros lados e tenta derrubar a porta chutando-a
[19:20] «!» [00:07] «!» Sua voz ecoa pela casa. Com a janela quebrada, é possível enxergar um pouco mais do lado de dentro. Os móveis parecem ser tradicionais: mesa, bancos. Uma escada no meio da casa leva ao andar superior. Nas duas laterais, dois corredores, que levam à um outro cômodo. O Sense Magic de Synien aponta para cima. <>
[19:20] «!» [00:13] «!» O chute que Ishkur dá reverbera por toda a casa. A poeira que tinha no exterior é toda arremessada para fora e levada pelo vento. Se a frente da casa tava meio limpo, agora a casa inteira tá “tinindo”. A porta, porém, não se move. Quando todos pensam que aquela era uma porta mágica, ela começa a envergar para trás, desconectando das dobradiças e caindo para dentro, ruidosamente (e levantando mais uma coluna de poeira, que rapidamente vai para dentro dos pulmões de João, sem maiores danos mas com maiores tosses. Porém, no meio de tudo isso, Ishkur consegue jurar que ouve um “hmf” de dor vindo de algum lugar de lá de dentro. Uma voz que não era de nenhum dos quatro ali presentes. ><
[19:20] «!» [00:13] «!» Fim de sessão.
[19:20] «!» <>
[19:25] <ishkur> mantém-se imóvel por alguns segundos, como que tentando ter certeza do que ouvira, e pergunta aos demais: -
Vocês ouviram isso? Aparentemente, há mais alguém aqui neste lugar…
[19:27] <jão> Aparentemente sim – Abandona os outros e vai entrando – OLÁA?
[19:28] <synien> -
Hm? Só consegui ouvir o barulho da porta caindo… "Olhava, um tanto abismada pela força de Ishkur.* “Não é bem como eu esperava entrar na casa, mas serve.” Logo, adentrava a casa, olhando rapidamente ao redor, mas focando nas escadas. — A coisa que procuramos está no segundo andar.
[19:29] «!» Ninguém responde o Olá de João. <>
[19:30] <jão> Vai invadindo a casa eeee *
[19:31] <ishkur> *vai seguindo Synien

[19:33] <synien> Como aparentemente nada havia chamado a atenção no primeiro andar, se apressava e subia as escadas, um tanto curiosa em saber o porquê da casa estar bastante limpa. Que produtos de limpeza a casa esconderia? Pato multiação?
[19:35] «!» No andar de cima a casa se divide em dois corredores que contornam a escada, no sentido horário. Quatro cômodos: dois perto da escada, esquerda e direita, dois longe da escada, esquerda e direita. Synien acredita que seu Sense Magic está apontando para a porta longe da escada, esquerda. <>
[19:37] <jão> OOOOOOI? Somos amigos, não vamos fazer maaaaaal – berrava agora no segundo andar.
[19:39] <synien> Sorria para Jão falando aquilo depois de entrarem tão delicadamente na casa. Ainda assim, já começa a se dirigir para a porta longe da escada na esquerda, afinal, sua intuição a levava para lá. -
E o que procuramos está… aqui. Parava ao chegar perto da porta, pretendendo deixar que Ishkur ou Jão entrassem no cômodo antes. Não sabia se era perigoso, afinal.
[19:42] <ishkur> abre a porta com cautela, e tenta observar o cômodo antes de adentrá-lo
[19:44] «!» Ishkur se aproxima da porta, e tenta abri-la. Não parece trancada, mas ela não abre mesmo assim. Contudo, algo acontece . . . ><
[19:49] «!» Um assobio sibila pelo ar, vindo da porta que tentaram abrir. Vocês escutam as outras três portas se abrindo. Por alguns momentos parece que as portas se abriram sozinhas, como se a casa fosse, por mais absurdo que seja o conceito, assombrada. Mas então algumas pessoas saem de dentro dos quartos, todas elas armadas e com vestimentas de proteção. Algumas cobrem o rosto com panos, outras possuem capacetes e, quem não tem nada na cara, possui algumas cicatrizes. A porta que estava na frente de vocês também abre, e lá dentro, mais pessoas. Contando assim, rapidamente, parecem haver dez homens e mulheres armados ali dentro. Um deles fala: “A curiosidade matou o Aneen.” >>>
[19:50] <jão> Orra, olha que sorte, contrabandistas – Dizia, puxando o arco – Então, cês negociam ou a gente tenta se matar mutuamente?
[19:54] «!» Sem mais palavras, um novo assovio é feito, e os bandidos se organizam para o combate. Einar acaba sendo pega no meio disso. Rolem iniciativas <>
[20:01] «!» Os malfeitores parecem se organizar em dois grupos, aumentando seu poder de combate de maneira sistêmica. O primeiro grupo ataca Synien. <speed>
[20:03] Might de Synien: -5
[20:05] «!» O outro grupo de bandidos, posicionados diferentemente, atacam João. <speed>
[20:07] «!» João, mais atento ao fluxo das ações depois de ter falado com os bandidos diretamente, consegue sair da frente dos golpes e usar o corrimão da escada para aparar/escapar dos golpes. Uns dois bandidos estão segurando Einar, que apenas grunhe tentando escapar na base da força. <vocês>
[20:09] <jão> Arma o arco, vê se Ishkur tá na frente ou não, e dispara
[20:13] XP de Jão: +1
[20:14] XP de Ishkur: +1
[20:15] «!» João dispara um flecha com tamanha ferocidade que acerta o coração do primeiro cara, que tropeça no segundo e os dois caem por cima do corrimão e escadas abaixo. Contudo, mais bandidos aparecem de lá de baixo, se juntando à putaria. Einar acaba sendo arrastada e some de vista. <synien,>
[20:20] <synien> -
O que… o que pensam que estão fazendo? Furiosa, aproveita toda a confusão para correr para as escadas, pretendendo descer atrás de Einar. Aquela luta era um tanto… diferente. Eram pessoas. Não estavam combatendo construtos ou monstros. Não pretendia deixar ninguém morrer… Nem Einar, nem o que foi atingido.
[20:22] «!» Assim que Synien PENSA em dar um passo na direção do corredor, dois bandidos com escudos fecham a passagem dela, sorrindo de maneira torta. <ishkur>
[20:34] <ishkur> Os dois bandidos estavam tão concentrados em intimidar Synien que não notam os movimentos rápidos de le wild glaive. Em uma precisão notável e criando uma cena cômica, Ishkur passa uma rasteira no bandido da esquerda, que cai e, em sua queda, acerta o bandido da direita com o escudo, antes de rolar e bater com a cabeça no corrimão das escadas. Ambos ficam aparentemente desacordados.
[20:38] <ishkur> Olha pros dois, após levantar-se — Olha, senhorita, que gentis. Eles deitaram pra que você passe por cima deles, e evite sujar os pés com o sangue dos outros bandidos…
[20:42] «!» Os bandidos que restaram daquele grupo olha com temor nos olhos, e debandam, descendo as escadas. Mas em poucos instantes vocês ouvem gritos de dor e sofrimento, e passos pesados subindo a escada. Nesse meio tempo, o segundo grupo de bandidos tenta atacar Synien novamente. <synien,>
[20:46] «!» Synien, não cometendo o erro da primeira vez, consegue fortificar sua Ward com força o suficiente para que os ataques não penetrassem suas defesas. ><
[20:50] «!» Os passos ecoam e rapidamente (para quem olha para baixo), uma nova pessoa aparece. Uma massa de armadura sobe, a escadaria torcendo por baixo do peso dela. O metal possuía vários traços atravessando-o, como se houvesse um fluxo de energia pela armadura. Não era possível ver o rosto da pessoa, mas quando ela assovia, o outro grupo de bandidos se afasta para dar espaço. Interessante, as mãos daquele guerreiro estavam nuas. >>>
[20:53] <jão> Virgemaria – Ele não sabe de onde tirou essa expressão (de uma vida passada, talvez, vivida em outro dos mundos), mas aquela criatura assustou. – Esse diabo tem armadura, gente… – Disse, prendendo o arco novamente nas costas. Seria praticamente impossível alvejar o recém chegado daquela forma. Em um instante havia uma adaga no punho de Little.
[20:59] <synien> -
… Acho que as pessoas feridas vão ter que esperar um pouco… Dava alguns passos para trás, rapidamente ficando atrás de Ishkur. Estava ferida e não gostava do que sentia naquela armadura.
[21:02] <ishkur> Mantinha-se em guarda em frente a Synien, flail em punho, e observava atentamente aquela armadura e a energia de cor arroxeada que perpassava entre ela, enquanto aguardava a ação de quem a portava
[21:05] «!» O inimigo para no topo das escadas, a distância curta, ergue as mãos, estala os dedos, e soca o ar. Um barulho surdo é ouvido, como se alguém puxasse o ar do lugar e arremessasse contra vocês. Ishkur, na frente, foi o atacado <ishkur,>
[21:09] Might de Ishkur: 7
[21:11] «!» Ishkur, em vez de sair da frente, resolve segurar o ataque com o corpo na esperança de ignorar os efeitos (que ela não conhecia). Grave erro. O impacto, ao acerta-la, sugou o ar de seus pulmões com muita força, machucando sua caixa toráxica. Além disso, a mudança de pressão no ar a deixa completamente surda (até passar em um novo teste de Might no fim do próximo turno). O grupo de bandidos que havia recuado avança novamente, dando a volta por trás da escada (vão levar um turno pra chegar). <vocês>
[21:18] <jão> puxa o arco de novo, arma ele e mete flecha na armadura
[21:25] «!» A criatura, atenta ao glaive que era seu alvo, não percebe que o jack estava mirando a flecha com cuidado. Grave erro ². A flecha atravessa o ar com tanto ímpeto que nem a armadura foi capaz de para-la. A ponta atravessa o rosto do inimigo, penetrando seu olho. Um urro estranho de dor é ouvido vindo do inimigo, um pouco mais agudo do que vocês esperariam. Ele parte a flecha com a mão, mas o cotoco ainda fica lá dentro. Parece que isso o afetou bastante, e seus movimentos já não parecem tão firmes quanto antes. <ishkur,>
[21:35] <ishkur> Após receber um impacto maior e mais danoso do que esperava, Ishkur se encontra em estado de desorientação. Ele vê Jão atravessar o rosto daquele ser com uma flecha, mas… não ouve absolutamente nada. Envolvendo uma das orelhas com a mão, olha pra Synien, a porta entreaberta e novamente pra Synien, torcendo pra que ela o entenda, antes de respirar fundo com dificuldade e caminhar em direção à criatura que a golpeou
[21:38] <synien> Estava ferida com os golpes anteriores e sentia que seus escudos não seriam suficientes para repelir aquela ameaça. Devia arranjar algum outro meio de dominar a situação… Ao notar os sinais de Ishkur, assente com a cabeça, rapidamente entrando no cômodo no qual sua intuição apitava, tornando a deixar a semiaberta novamente. “Eu não vou ter muito tempo… precisa ter algo aqui.”
[21:44] «!» Quando Synien entra e encosta a porta atrás de si, descobre que tem alguém lá dentro sentado em uma cadeira. Tinha uma aparência muito parecida com a dos bandidos lá fora, mas parecia mais . . . Ameaçador. Estava “acariciando” uma espécie de tubo de vidro com metal na ponta, onde dentro haviam alguns fios de metal que iam de uma das pontas à outra. A pessoa, que aparentava ser um homem com o rosto bem angulado e cabelos curtos, sorri de maneira maliciosa e apenas acena com a cabeça. No resto do quarto haviam alguns suprimentos e equipamentos diversos. Seu Sense Magic apontava para aquele tubo. ><
[21:46] «!» Os bandidos que deram a volta, vendo que Synien entrou no quarto, atacam João. <joão,>
[21:50] «!» João, atento aos golps, consegue apara-los com o cabo do arco, sem maiores problemas.
[21:50] «!» O inimigo da armadura, ofegante, olha para João, e soca o ar da mesma maneira que fez antes. Dessa vez, porém, a magnitude do ataque parecia ter diminuído. <speed>
[21:52] «!» O projétil de ar rebate na parece atrás de João e dispersa, fazendo um barulho surdo que incomoda o arqueiro, mas não é suficiente para causar nenhum dano. <vocês>
[21:58] <jão> TASCA OUTRA FLECHA NA CREATURA
[21:59] «!» A flecha penetra o ombro da criatura. É possível ver que a criatura sentiu, mas não foi tão efetivo assim (e não porque foi uma flecha). <>
[21:59] <synien> -
Olhava para o homem, sem fazer nada brusco. Aquele tubo não parecia nada bom. E aquele olhar significava que ele não tinha boas intenções. — Eu imagino que não vá me entregar o tubo de bom grado, mas sei que pode pedir para seus seguidores pararem o ataque, já que imagino que seja o líder. O que veste a armadura energizada já recebeu uma flecha que atravessou o olho, e eu acho que mortes são desnecessárias nesse caso. Apenas observava o tubo, o homem e as coisas ao redor. Tinha que pensar em um plano que não fosse explodir tudo aquilo. Se ao menos soubesse o que o tubo fazia…
[22:02] <ishkur> Novamente vê uma flecha sendo acertada na criatura por Jão; porém, ainda sem ouvir nada… Ele parecia estar se virando bem sozinho; então, mudou de ideia e mudou seu trajeto para o quarto onde Synien adentrara.
[22:05] * NPC: <homem> *Fazendo uma leve expressão surpresa — Entregar o tubo de bom grado ? Vocês acham que eu irei deixar que roubem meu pertence tão precioso assim ? Bem, parece que vocês sabem o que estão fazendo, já que encontraram o lugar tão facilmente e já querem colocar as mãos nesse conector. Mas não achem que vão tomar minhas coisas com tanta facilidade.Ele enrola o tubo em um tecido e coloca dentro de um container de metal amarrado na sua cintura, levantando. ><
[22:08] «!» Nesse meio tempo, Einar grita de algum ponto no andar de baixo da casa, e um barulho de explosão pipoca. O grupo de inimigos no andar de cima parecem olhar assustados uns para os outros. Enquanto isso, Ishkur volta a ficar do lado de João, passa por ele e abre a porta, encontrando a cena lá dentro. >>>
[22:12] <synien> — Pare o ataque e me deixe cuidar de todos os feridos que chegaremos a algum acordo ou simplesmente teremos o que quisermos à força. Percebia que Ishkur havia aberto a porta, torcendo pra que a situação ainda estivesse vantajosa para eles.
[22:17] XP de Jão: +1
[22:17] XP de Synien: +1
[22:18] <ishkur> dando o seu melhor sorriso, após entender o que estava se passando, olhando rapidamente para Synien e depois fixando o olhar no Homem do Tubo — Creio que isso não será um problema em breve. O armadurado está recebendo um bom número de flechas, e aparentemente seus homens não gostam muito de explosões também… Pode ficar com seu brinquedinho. Mas caso continue com essa luta desnecessária, temo que você pode perder muito mais do que ele em breve.
[22:21] * NPC: <homem> — Não tenho escolha senão ser cliché e dizer que não poderão sair daqui vivos… *E com isso, ele ergue as mãos. Sua testa começa a brilhar e um aro de luz se forma ao redor de sua cabeça. Seus olhos agora parece que estão em brasa, e ele ataca. ><
[22:22] «!» Inimigo de armadura ataca Jão com soco no ar <might>
[22:22] «!» Bando de inimigos atacam Jão com suas espadas <speed>
[22:27] «!» João parece ter se libertado de suas amarras. Ágil como um calango no deserto quente do sertão, ele pula, dança, esquiva e vai cortando vários J’s nas camisas de seus inimigos. Menos na armadura. Enquanto isso, o rapaz que estava no quarto lança um projétil de luz na direção de Synien, que clareia todo o quarto de uma maneira quase cegante <speed>
[22:29] «!» Synien, seu olhar fixado no inimigo, nem se abala. Levanta as mãos imitando os gestos do cara como de deboche, e o projétil dele se dispersa antes que a atinja. <vocês>
[22:30] <jão> mete flecha num dos outros caras que estavam me atacando (não o da armadura)
[22:33] «!» De trás de uma das portas, uma arqueira aparece. Sem perder tempo, ela posiciona uma flecha no arco e dispara contra Jão. <speed>
[22:34] <jão> Disvinhei.
[22:48] <ishkur> Enquanto o Homem do Tubo ainda estava abaixando os braços, Ishkur decide aproveitar a brecha e arremete a flail com força bem no rosto dele. No mínimo, o velório dele está antecipadamente estragado.
[22:49] «!» O golpe contra o rapaz do tubo é certeiro, e embora suas vestes houvessem apresentado resistência, ele ainda foi bastante machucado com o golpe.
[22:52] <synien> — Eu posso fazer a dor parar… de um jeito bom, ainda. Mas agora acho que vou cobrar a armadura ou o tubo. Falava, empunhando seu cajado com as duas mãos. Dava alguns instantes para o homem responder, e logo o atacava com o cajado. Não gostava de violência, mas não iria ser assassinada ali.
[23:04] <synien> Synien estava com as mãos trêmulas ao empunhar o cajado. Não era proficiente com armas, e muito menos era boa com esforços físicos. Aceitou fazer uma jornada para ajudar sua vila, só enfrentando perigos. Aquele homem à sua frente não pretendia deixá-la sair viva… Havia visto o seu olhar. Tudo por um tubo estranho. Ela era considerada a deusa da fertilidade e da vida… Mas assim como supostamente fornecia a vida… ela também tirava. Principalmente quando era a própria vida que estava em risco. Assim, lutando com a energia extra que o instinto de sobrevivência a dava, ela simplesmente… utilizou toda a sua força no cajado para atingir o homem, fechando os olhos em seguida. Ouviu um “crec”, mas sabia que não tinha sido do seu cajado… E sim de um novo cadáver com um tubo à sua frente.
[23:07] «!» O homem cai sem vida no chão, mole, inerte, esfriando. Enquanto isso, no lustre do castelo, a armadura repetia o processo de socar o ar contra João <dif>, e os outros malfeitores o atacam também <speed>, junto com a arqueira <speed> <joão>
[23:11] «!» Desviar das flechas e dos golpes das espadas era fácil demais, mas João não percebeu que isso o distraiu do perigo maior, a onda de impacto da armadura, que o acerta em cheio, jogando-o para trás, mas sem derruba-lo. 6 de dano. <vocês>
[23:12] Might de Jão: 6
[23:16] <synien> -
O líder de vocês caiu, vocês podem se render pacificamente ou serão forçados a isso. Falava com a voz mais alta, se abaixando, pegando o container em que o tubo estava: aquilo parecia ser importante. Após coletar o item, já começava a se concentrar, soltando sua onda de cura em si mesma. Estava um tanto ferida, afinal.
[23:17] Might de Synien: +4
[23:21] <ishkur> após confirmar o estado do homem do tubo e a segurança (por ora) de Synien, decidiu sair do quarto e checar como Jão estava.
[23:22] <jão> TAVA METENDO FLECHA NAQUELA ARMADURA MALUCA, ERA ASSIM QUE JÃO TAVA ~sangue no zóio
[23:29] «!» A flecha acerta a criatura, mas o ponto era tão protegido que não causou maiores danos. A criatura, vendo que os aliados já não pareciam tão aptos à luta, termina de arrancar o toco de flecha do soquete do olho, e joga no chão, pisando firme, e inspirando o grupo que parecia querer fugir (ou amedrontando, né, nunca se sabe). Depois disso, a criatura soca o ar novamente, mirando em Jão novamente. <speed>
[23:31] «!» A arqueira, apta para atirar novamente, mira João também <speed>, o grupo de inimigos, porém, tentam se juntar e acertar Ishkur <speed>
[23:34] Might de Ishkur: 5
[23:35] «!» A arqueira erra, mas o grupo de inimigos, pegando Ishkur de surpresa, arrebentam ela na porrada. <vocês>
[23:36] <jão> Mete uma frecha no bichão da armadura – VO TE DERRUBAR SOZINHO, VAGABONDO.
[23:40] «!» A flecha atinge o braço da armadura, que dá um grunhido de dor antes de arrancar a flecha e arremessa-la no chão também. <>
[23:52] <ishkur> Num arroubo de inspiração e confiança, Ishkur, além de conseguir se livrar do mob, começa a girar em seu próprio eixo em uma velocidade incrivelmente rápida, arrastando a flail sobre o rosto e pescoço dos bandidos, e consequentemente arrastando-os junto, até não sobrar um vivo pra Jão meter flecha depois.
[23:55] <synien> Depois de se regenerar, sai da sala, afinal, a luta ainda não havia acabado. -
Desistam enquanto dá tempo… Isso ainda pode acabar bem.
[23:56] <jão> PODE NADA -já armando outra flecha
[00:04] «!» O inimigo na armadura para por alguns instantes depois de ver o display de Ishkur, e porque o narrador já cansou de ficar rolando dado (e a armadura nem chegou na metade do hp), ela vai sair correndo. A armadura olha para a arqueira, que olha de volta, e eles pensam “Não quero mais rolar dado não, depois o narrador equilibra esses encontros melhor”, e descem a escada correndo. Vocês ouvem um outro pipoco e um grito de mulher (provavelmente da arqueira) e passos rua afora. >>>
[00:05] <jão> -VOLTA AQUI, COVARDE DO CARAMBA… – Pula pelo parapeito da escada, cai de mau jeito, sisburracha no final da escada e assiste a armadura e arqueira fugindo – VOLTA AQUI QUE EU NÃO TERMINEI COM VOCÊ AINDA!
[00:09] «!» A arqueira não está fugindo. Ela está caída de bruços na porta, suas pernas unidas como se estivessem amarradas por algo invisível. De trás da escada aparece uma Einar com a cara ensanguentada por causa de um corte na testa, roupas sujas e com um olhar assustado, e o que parecia ser uma luva em suas mãos, ligada com cabos que iam até sua cintura, desaparecendo por dentro de suas roupas. Sua expressão parece se aliviar um pouco quando João aparece escada abaixo. >>>
[00:10] <jão> -Ei. – Ele diz pra Einar, parecendo mais tranquilo de repente – Cê não morreu. Que bom. Desculpe. Estávamos derrubando os caras lá em cima. Cê parece ter feito uma limpa por aqui também – Olha a arqueira caída.
[00:11] ** NPC: <einar> -
Vocês . . . Estão bem ? Ela parecia tremer um pouco observando ao redor. ><
[00:12] «!» Três inimigos estõa espalhados pelo chão perto da arqueira. Todos eles machucados e com marcas de queimaduras, que também estão em Einar. Não se sabe se estão mortos, mas a arqueira está ofegando e tentando se arrastar para fora. <>
[00:13] <jão> Arma uma flecha, tenciona o fio do arco e paira em cima da arqueira, com um semblante sério e pouco típico dele. – Quer dizer alguma coisa antes de morrer?
[00:14] *
NPC: <arqueira> — Vocês pereceram diante de Aranha !
[00:14] <jão> Aranha arranha a rã, a rã arranha a aranha – Ele retruca, e puxa o arco, pronto para matar a garota.
[00:15] «!» A arqueira puxa uma adaga, erguendo o corpo e tentando um corte em João >>>
[00:16] <synien> Fica triste com o armor artifact saindo correndo, mas logo desce as escadas, vendo a situação sem descer totalmente. -
LITTLE, NÃO! Precisamos dela viva! Falava sem descer as escadas totalmente, apreensiva com o acontecido.
[00:18] <jão> Não acho. – Ele responde, dominando a garota com facilidade e lhe tomando a adaga. Em instantes a arqueira estava sendo agarrada por John, a própria adaga encostada na garganta, sendo obrigada a voltar-se para a deusa. – Mas você tem sorte. – Ele dizia ao pé do ouvido da jovem que segurava.
[00:18] ** NPC: <einar> -
. . O que vão fazer com ela ? Diz, sentando perto de uma parede e tirando um potinho de dentro das roupas. Ela põe algumas pílulas na mão e engole, fazendo uma expressão de dor momentânea. <>
[00:19] <jão> Encara a deusa, segurando a garota, com um olhar vazio
[00:21] <ishkur> se intrometendo entre Jão e a garota
[00:22] <ishkur> — Creio que não tenha ouvido a senhorita Synien, Jão. Precisamos dela viva.
[00:22] «!» A arqueira se sacode bastante. <>
[00:23] <jão> E ela está…? – Ele responde devagar, mas libera a garota para o controle de Ishkur. Gira a adaga da menina nos dedos e embolsa ela.
[00:23] <synien> Dava um suspiro de alívio ao ver que Jão havia apenas a deixado imobilizada. -
Eu sugiro que adiemos o nosso contrato agora, Einar… Seria bom levarmos essa daí até Filib e contarmos o que aconteceu aqui. Ela pode nos contar o que sabe por bem… ou por mal. E preciso tratar dos seus ferimentos…E dos dela também. Olhava para a arqueira, suspirando. — Eu peguei o tubo que o líder deles protegia.
[00:25] <ishkur> voltando-se para a arqueira — Não se preocupe. Suas opções são boas: continuar se remexendo durante a viagem, e respirando depois disso, se contribuir conosco, ou – apontando pra Jão – ficar a cargo dele.
[00:25] <jão> ~Sobe as escadas, olhando para ver se encontra alguma flecha inteira.
[00:26] «!» Quando Synien olha para Einar, a garota está chorando quieta, mas ela faz que sim com a cabeça e levanta, caminhando para fora da casa. <>
[00:29] <jão> ~Sem encontrar nenhuma flecha, atravessa aquele corredor, indo vasculhar os corpos abatidos em busca de coisas úteis

[00:40] <synien> Enquanto Jão vasculha a casa e Ishkur mantém a arqueira imobilizada, se aproxima de Einar, começando a energizar o corpo da mesma, regenerando as feridas. — Bom… Não estávamos esperando isso, mas certamente fizemos uma boa ação, por mais que doa. Dava um sorriso, tentando confortá-la. Pretendia estabilizar os ferimentos da arqueira depois, mas obviamente Einar era a prioridade.
[00:41] «!» Einar agradece, mas sua expressão abatida não desaparece. <>
[00:43] <jão> Desce pouco tempo depois, trocando moedas de mão. Lança um olhar despreocupado para Einar – Fica triste não. Você foi ótima hoje.
[00:43] <synien> Enquanto Jão não voltava, fazia o mesmo com a arqueira, mas não se esforçava tanto quanto deveria: Synien estabilizava a condição dela, mas não fazia com que os ferimentos parassem de arder.
[00:43] <ishkur> ainda vigiando a arqueira sacolejante
[00:52] <jão> *Joga uma corta nos braços de Ishkur, se logo se adianta para a arqueira, olhando-a de cima abaixo. Sem pudor qualquer, começa a tatear por cima das roupas dela em busca de armas ou instrumentos cortantes. Ajunta o arco dela e as flechas, prendendo-os nos próprios ombros e, sem demora, começa o trabalho de amarrar a garota, a começar pelas mãos, enquanto Ishkur ainda a segurava. O nó era prático e difícil de desamarrar. Várias voltas foram dadas com a corda ao redor do corpo da garota. O último nó foi dado perto das canelas da garota.
[01:02] «!» O caminho de volta é silencioso. Vocês não sabem em que momento Einar para de chorar, mas ela eventualmente para. O vento ecoa por entre as vielas e becos das antigas construções agora abandonadas. A arqueira tenta causar problemas, mas foda-se. Eventualmente vocês começam a sentir a mudança de ares e, com ela, o murmúrio de vozes da cidade. Vocês caminham por Bodrov mas decidem ir direto pra casa de Filib. As pessoas primeiro olham com estranheza, mas depois parecem claramente assustadas com o que está acontecendo. Algumas pessoas saem correndo e somem de vista. Vocês chegam na casa de Filib e tentam tocar a campainha. Passam-se apenas alguns instantes antes de Einar quebrar o silêncio: Acho que ele não deve ter voltado da feirinha ainda. Quando Einar pensa em ir busca-lo, ele aparece por detrás de uma esquina, olhando transtornado na direção de voCês, o disco flutuante dele logo atrás. Filib olha para vocês três e para Einar, e berra: “O que desgraça aconteceu ?” ><
[01:02] «!» Fim de sessão.

Comments

SeanWishart

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.