Numenéra no Firecast

26 - Vaca bebe leite

[19:31] «!» [22:34] * NPC: <miola> — Uma cesta com alguns pães é 1 shin. O suficiente três pessoas comerem o dia inteiro, olha que beleza! *Ela diz, gesticulando para cima dos pães. Ela também começa a contar sobre como são feitos, e como os materiais tem qualidade, e vai colocando informação em cima de informação. <>
[19:31] «!» [22:36] <jÃo> QUERO UMA! – Ele responde logo, puxando o shin da bolsa e entregando pra mulher – Aliás, apesar de os pães parecerem realmente perfeitos, você sabe alguma coisa sobre o treco que fazia água e que desapareceu?
[19:31] «!» [22:43] ** NPC: <miola> *A moça até toma um mini-susto com a resposta tão rápida e energética, e pega uma cesta do chão. Com um “pegador”, ela vai perguntando quais pães o garoto quer, enquanto diz: -
Olha, menino, não queria falar nada não, mas esse negócio do condensador ter desaparecido tá é dando o que falar, viu? Sabem o que eu acho? Pois EU ACHO que quem deve ter um dedo nisso é a tal da Charmele, viu? Não queria dizer nada não, mas aquela mulher é muito suspeita, com aquela criação de Thyrans dela. Só pode ter sido ela! Ela vende leite, tá vendo só? Na falta de água, as pessoas vão beber o quê? Leite! Aposto que foi aquela ardilosa. Enquanto ela fala, seu rosto se enche de expressões marcantes, adicionando marcas de idade nela. E ela continua falando várias coisas depois. <>
[19:31] «!» [22:45] <jÃo> Mas a senhora viu alguma coisa? Tipo, quando o treco desapareceu, alguém esteve na beira do poço mais do que o normal, ou algo assim?
[19:31] «!» [22:45] <jÃo> escolhendo pães e papeando com a padeira
[19:31] «!» [22:48] ** NPC: <miola> -
Vi! Claro que vi! Vi gente se movendo dentro da casa dela durante a noite do roubo. Certeza que ela estava se preparando para dar um sumiço no condensador! A mulher diz, cheia de certeza. <>
[19:31] «!» [22:50] <jÃo> Tendi… Bem, olha só. Se a senhora ver alguma coisa mais suspeita, tenta procurar a gente, tá? Estamos atrás desse condensador, porque a gente precisa de um igual pro lugar onde moramos. – Ele sorri, pegando a cesta. – Vamos estar por aqui por um tempo, antes de seguir viagem. Obrigado pelos pães, dona Miola.
[19:31] «!» [22:52] ** NPC: <miola> -
Sim, claro! Aquela Charmele vai ter o que merece! Ela que nos espere! A expressão dela, porém, se desfaz um pouco. — Vocês precisam de um igual? Hmm. E com isso, outros clientes chegam e ela começa a se ocupar conversando com eles, esquecendo de vocês. <>
[19:38] <jÃo> Então, de barriga cheia, Little logo se despedia da padeira, sem tomar-lhe muita atenção. – Pro açougueiro agora, né? – Questionava os colegas. – Onde é que ele fica?
[19:40] <synien> “Charmele… Bom, pelo visto parece que temos mais uma intriga costumeira do que um problema grande.” Olhava pensativa para Jão, logo começando a caminhar na direção indicada anteriormente. — Creio que é por ali.
[19:42] «!» Levam apenas alguns segundos para contornar o poço seco e chegar até o local indicado como sendo o açougue de Narv. A casa não parece diferente das outras. Do lado de dentro, vocês ouvem o som de algo batendo em madeira. <>
[19:42] <ishkur> compra rapidamente 3 pães com Miola e corre atrás do grupo
[19:46] <ishkur> bate na porta
[19:47] <jÃo> A porta responde Toc Toc
[19:50] «!» Vocês ouvem uma voz aparentemente feminina e jovem falando: “Redis! Tem alguém batendo! Olha lá!”. Alguns instantes depois, passos, e logo a porta se abre. Um rapaz jovem com cabelos quase raspados atende. Está usando luvas que parecem estar sujas de sangue. Ele coça o nariz com as costas com o antebraço e pergunta: “Pois não?” Do lado de dentro, uma casa comum. Alguns móveis, e uma passagem para o próximo cômodo. <>
[19:51] <jÃo> Oi. A gente tá procurando o açougueiro. É você, né? Ou você só matou alguém mesmo?
[19:52] <jÃo> sussurra pra Ishkur – Eu acho que ele matou alguém, olha ali.
[19:54] <ishkur> dá uma leve cotovelada em Jão e sussura de volta: Açougueiros trabalham com animais mortos, oras. Se ele não matou algum, está fatiando um já morto…"
[19:54] * NPC: <redis> *Ele sorri de maneira abestalhada e deixa escapar uma risada, respondendo: "Hahaha. Vocês estão querendo comprar carne? São viajantes? <>
[19:57] <ishkur> *dá outra leve cotovelada em Synien, sussurando: “Eu não sou bom com perguntas… Melhor que a senhorita faça isso. Tudo bem para a senhorita?”

[19:59] <synien> Recebia a cotovelada, e logo falava com o açougueiro, com o tom de voz demonstrando interesse. -
Bom… Somos viajantes. E sobre a carne, talvez Little queira, já que é bem esfomeado… mas… não estamos somente atrás de carne. Ouvimos uns boatos sobre o tal condensador de água, e nos disseram que o senhor sabia de algo que poderia ajudar a achar o culpado.
[20:00] * NPC: <redis> — Ah. É com Narv que vocês querem falar. *Ele vira de costas e fala em voz alta: — Junni! Seu pai volta quando?
[20:01] «!» Uma voz grita do cômodo seguinte: "Deve estar de volta daqui a pouco. Por que?
[20:01] * NPC: <redis> — É que tem um pessoal aqui querendo falar com ele. Não conheço. *E com isso, ele sai da porta e entra no outro cômodo, deixando vocês lá.
[20:02] «!» Uma voz feminina diz: “Bem, ele já deve estar voltando. Peça pra eles esperarem aqui dentro.” O rapaz volta e, bem, pede para vocês entrarem se quiserem esperar por Narv. <>
[20:03] «!» O lugar tem bancos e cadeiras o suficiente para todos sentarem. Alguns dos móveis são feitos de sintético, provavelmente compraram de algum comerciante que passou por ali. <>
[20:05] <synien> — Oh, aceitamos sim…. E desculpe qualquer incômodo, senhor. Me chamo Synien, e estes são Ishkur e John. Dizia, aceitando o convite e se dirigindo ao local indicado. Como não estavam apenas fazendo negócios, e sim sendo convidados pra entrar, achou educado se apresenta, afinal.
[20:06] <jÃo> Dá uma olhada de má vontade e segue o grupo, escorando-se do lado da porta, permanecendo em pé
[20:08] «!» O rapaz desaparece porta adentro, e alguns instantes se passam enquanto vocês ouvem novamente o barulho de algo batendo na madeira. O som para, e mais alguns instantes depois, uma outra pessoa aparece. É uma garota, tão jovem quanto o rapaz, com cabelos curtos e um avental sujo de sangue. Ela porta uma lâmina na mão que parece estar vibrando.
[20:09] * NPC: <junni> — Oi, tudo bem? Meu nome é Junni. Meu pai Narv já tá vindo, tá? Tem certeza que vocês não querem comprar carne enquanto estão aqui? Carne de Thyrans é bem macia se preparada corretamente. *Ela diz, colocando a mão vazia na cintura. Tem umas manchinhas de sangue seco no rosto dela, também. <>
[20:10] <ishkur> — Talvez a gente queira um pouco de carne, sim. Qual o preço? E quais cortes vocês têm aí?
[20:13] * NPC: <junni> Pelo que ela explica, aparentemente dois dia de refeição, para uma pessoa, é 1 shin. <>
[20:15] Patinho da Vinse (Ca1ooo) acabou de entrar
[20:16] A mesa está moderada!
[20:16] <ishkur> — Ok. Me vê uma porção, então. Mas pode me entregar quando sairmos daqui? Quanto mais fresca, melhor – diz Ishkur, passando um shin para a menina.
[20:21] *
NPC: <junni> — Tudo bem, claro. Eu entrego quando vocês forem sair, depois de conversar com meu pai, tá? E com isso, ela volta pro outro cômodo. O barulho de algo batendo na madeira continua. >>>
[20:21] <jÃo> >>>
[20:22] <ishkur> >>>
[20:23] <synien> >>>
[20:25] * NPC: <junni> Não mais que meia hora se passa antes de vocês ouvirem um barulho pesado vindo do fundo. Alguns sons de passo, e vozes ao longe conversando do lado de fora, nos fundos da casa. Os barulhos de algo batendo na madeira param, e passos são ouvidos. Um homem aparece do outro cômodo. Ele parece bastante com Junni, e tem os cabelos desgrenhados. Ele tem uma trouxa de sintético na mão, que ele deposita em cima da mesa. Parece ser o pedido de vocês.
[20:25] *
NPC: <narv?> — Digam. <>
[20:28] <synien> — Olá, senhor Narv? Falava com um tom de dúvida, já que não tinha certeza. — O prefeito aceitou nossa ajuda para reaver o condensador desaparecido, então estamos investigando a respeito. Ele nos disse que o senhor sabia algum rumor a respeito disso, então viemos até aqui. Eles gentilmente nos convidaram a entrar. Sorria, olhando para o homem. “…O prefeito na verdade apenas não se opôs, mas bem…” — Me chamo Synien.
[20:30] * NPC: <narv> — Eu. Não, vocês ouviram errado. <>
[20:32] <jÃo> -Cê não sabe nada sobre o que aconteceu? Não tem suspeita nenhuma, não viu ninguém, não ouviu nada sobre? – Questionava, se desescorando da parede e aproximando do homem com uma expressão anormalmente séria. – Devemos pensar, então, que você nem percebeu a falta do negócio que produz água, é isso?
[20:34] *
NPC: <narv> — Não sei o que aconteceu. Não tenho suspeitas. Mas é de meu interesse que o problemas seja resolvido. Sem água, não lavo minhas carnes. E com certeza não vou usar a água contaminada que corre aqui perto. Fale com a família Chetris. São caçadores. Podem saber. <>
[20:35] <jÃo> Você imagina o porquê de o prefeito ter indicado você como alguém que sabia dos fatos, então?
[20:36] ** NPC: <narv> -
Ele achou errado. Não tem mais o que fazer. <>
[20:37] <jÃo> Sei. – Estreita os olhos, encarando o homem. – Que bom que você tem certeza de que não pode nos ajudar, então.
[20:38] ** NPC: <narv> -
Já ajudei. Fale com os Chetris. Não esqueçam de levar a carne quando saírem. Ele aponta para a trouxa sintética que colocou na mesa. <>
[20:40] <synien> Olhava para Narv, se levantando, então. Com um novo sorriso, o olhava fixamente. Não se orgulhava em fazer isso, mas não gostava da suspeita: havia mais em jogo ali do que apenas uma intriga. Sua vila poderia utilizar algo daquela tecnologia, afinal. — Uma última pergunta antes de irmos… Guyan comentou algo sobre criaturas biomecânicas quando o mencionou. Realmente não está esquecendo de nada? Perguntava, com o máximo de tato possível: mesmo se ele optasse por escondê-las, ele certamente iria pensar em algo relacionado… E aí ela saberia. Assim, enquanto perguntava, se concentrava para adentrar nos pensamentos recentes daquele homem (Mind Reading)
[20:41] Intellect de Synien: 2
[20:45] * NPC: <narv> “Líder de vila pé rapado. Só é o líder porque não consegue fazer mais nada. Poderia arranjar algo melhor pra fazer do que ficar apontando dedo que nem um idiota. Aellicon tá fazendo mais do que ele, e olha que o cara chegou na vila não tem muito tempo.” <>
[20:49] *
NPC: <narv> -
Não estou. Algo mais? <>
[20:50] <jÃo> Nah. – Saía porta afora sem agradecer ou se despedir, esperando a party ali fora.
[20:51] <ishkur> pede a Junni a porção de carne para viagem, e sai logo após Jão, agradecendo pela negociação
[20:51] <synien> “Aellicon…” -
Não, obrigada. Novamente, perdão pelo incômodo. Se soubermos de algo útil ao senhor, o avisaremos. Novamente dava um sorriso, cordial, se dirigindo até a porta. Já havia conseguido o que queria: outro suspeito.
[20:59] <jÃo> Já ia rumando pra onde se ouvia os balidos u.u
[21:00] <ishkur> segue Jão, ligeiramente preocupado se a carne que ele comprou foi lavada ou não
[21:01] <synien> — …Foi uma visita bem produtiva, não acham? Olhava para os companheiros, após caminhar para longe da casa de Narv. Iriam procurar a tal Charmelle primeiro… * — Parece que temos mais intrigas que esperávamos.
[21:04] <jÃo> -Eu acho que todo mundo aqui se odeia e que ninguém quer ajudar realmente a reaver a porcaria que faz água porque são um bando de hipócritas barganhadores.
[21:05] <jÃo> *É, ele ainda não sabia exatamente o que significava “barganhar”

[21:08] <synien> -… Olhava para Jão e depois para Ishkur, dando um sorrisinho. - Bom, vamos ver o que descobrimos com a vendedora de leite. Com sorte, ela será bem mais amigável.
[21:12] «!» Não é difícil encontrar a casa de Chamele. É mais afastada, e possui um cercado com muitos Thyrans dentro. Inclusive, tem alguém dentro do cercado, cuidando dos animais. <>
[21:14] <ishkur> olha para os animais dentro do cercado, para a trouxa de carne que carrega, e fica levemente desconfortável em encará-los de novo
[21:15] <jÃo> OI – chamava logo a pessoa dentro do cercado – DÁ PRA GENTE CONVERSAR UM POUQUINHO? \o
[21:22] «!» A pessoa que estava cuidando dos animais vira a cabeça, levantando. Ela carrega um bastão de sintético com algumas pequenas esferas flutuando ao redor. Ao se aproximar, vocês percebem que parece ser uma mulher bem alta e atraente, com os cabelos amarrados atrás. Ela parece ter uma expressão de dúvida ao se aproximar. Ela apoia as duas mãos no bastão, e pergunta:
[21:23] ** NPC: <mulher> -
Pois não? <>
[21:24] <jÃo> Você é Charmelle?
[21:24] ** NPC: <charmele> -
Sim, sou. Vocês não são daqui, são? O que desejam? <>
[21:25] «!» Um Thyran perto de vocês, encarando, e depois debanda.
[21:25] <jÃo> Não somos, mas estamos tentando ajudar, embora ninguém pareça muito afim de colaborar. Você sabe algo sobre o negócio que produz água e que desapareceu?
[21:27] ** NPC: <charmele> -
O condensador? Eu só sei que ele sumiu. O que é um desastre. Ela olha para os Thyrans com um olhar triste. — Eu não sei mais do que isso. <>
[21:29] <jÃo> Não tem nenhuma suspeita, nem nada? Não viu nada anormal na beira do poço?
[21:34] ** NPC: <charmele> -
Suspeito? Eu não sei. Não acho que tenha sido ninguém da vila, todo mundo usava esse poço. Logo quando o condensador sumiu a venda de meu leite aumentou bastante, mas eu não vou conseguir manter meus animais sem água. Eu quase não saio do curral, também. Talvez fosse mais proveitoso falarem com alguém que caça ou fique fora da vila. Ela parece dispersar um pouco enquanto pensa. — Talvez Relin Mor ou Oane Crawfur. Mor também cuida de um rebanho de Thyrans, mas ele mora fora da vila com seus animais. Crawfur também mais longe daqui, e é uma caçadora. <>
[21:37] <synien> “Faz sentido. Miola pode estar com ciúmes dessa, já que é bonita e provavelmente lucra mais agora, com o leite, do que antes…” Se mantinha em silêncio, ponderando a situação. Com ela, não adiantaria uma abordagem direta sobre o assunto. Ela não havia visto nada, afinal. “Mas se viemos até aqui por boatos… o jeito é lidar com eles.” — Talvez saiba nos dizer algo sobre a vila em si, então. Por acaso há algum morador da vila que chegou há pouco tempo? Sorria, perguntando com a expressão inocente. Não queria mais suspeitos: queria começar a descobrir coisas. Não poderia citar diretamente o nome Aellicon…
[21:41] * NPC: <charmele> — Algum morador que chegou há pouco tempo… Bem, dependendo do que querem dizer com “pouco tempo”, consigo pensar em alguns. *Ela fala alguns nomes, entre eles o nome de Aellicon. Os outros não são relevantes de nenhuma maneira. — Por que? <>
[21:45] <synien> — Apenas uma investigação simples. Infelizmente, a primeira suspeita é que o condensador tenha sumido com a ajuda de alguém da vila. Moradores antigos da vila não teriam muitos motivos para resolver sumir com a fonte principal de água… A tendência é que seja algum morador recente. Talvez seja alguém que ultimamente seja um tanto… prestativo. Talvez uma concorrência com o atual prefeito… Fazia mais uma tentativa. Ela havia citado o nome que queria, mas ainda não havia mordido a isca de fato.
[21:47] * NPC: <charmele> — Alguém da vila? Mas eu ouvi dizer que poderiam ter sido animais. Isso é ruim, todo mundo aqui se conhece… <>
[21:48] <jÃo> Todo mundo se conhece e estão indicando você como grande suspeita, porque a venda de leite aumentou – Comenta despretenciosamente, de braços cruzados, sem olhar a moça.
[21:50] <synien> -
Bom, há vários suspeitos até agora… E não descartamos a opção de terem sido animais selvagens… Mas estamos investigando as pessoas, por enquanto. Imagino que se fossem animais, os caçadores da vila conseguiriam rastrear algo, já que devem estar familiarizados com a fauna local. *Complementava o que Jão havia falado, como que para remediar parte do impacto… Mas a interferência dele havia se encaixado perfeitamente.

[21:51] * NPC: <charmele> *Ela dá um sorriso entristecido. - Bem, as pessoas tem estado bem agitadas desde que o condensador sumiu. Todo mundo acaba virando suspeito, infelizmente. Achar que eu vou lucrar com o sumiço do condensador? Meus animais não vivem sem água. <>
[21:55] <jÃo> -Só falei.
[21:55] <jÃo> -A questão é, dona bonitona, que daqui a pouco eles vêm tomar satisfação da senhora.
[21:58] ** NPC: <charmele> -
… Dona bonitona? Mas o q- Ela faz uma expressão confusa. — Bem, eles verão que eu estou em uma situação tão ruim quanto todos da vila. As pessoas podem estar tensas por causa do problema, mas os moradores de Adderstal não são maus. <>
[22:02] <synien> — Lamento o desconforto causado. Estamos investigando várias pessoas. Dava um sorriso, olhando para Charmele. — Se acaso se lembrar ou descobrir de algo suspeito, estaremos na vila por algum tempo. Sou Synien. Fazia menção de sair, a menos que algum de seus companheiros quisesse perguntar mais algo, ou comprar leite.
[22:03] <ishkur> sussurrando pra Synien — Ninguém é mau até olharmos de perto, pelo visto…
[22:05] <ishkur> olhando para a dona bonitona — Tenho apenas uma pergunta. Qual a vertente de água pura mais próxima de Adderstal? Ouvimos um comentário sobre águas contaminadas aqui perto…
[22:05] <synien> Concordava discretamente com um gesto da cabeça, sem falar nada.
[22:06] * NPC: <charmele> — Água potável? Nenhum dentro de um dia de viagem. No pior das hipóteses, todos teremos que sair daqui, porque o rio mais próximo é poluído. <>
[22:13] <ishkur> — E de onde a senhora está tirando água para dar de beber a seus animais? Mesmo escassa, ainda assim é alguma fonte… E a do poço não me parece suficiente para todos da cidade e sua criação – não por muito tempo, ao menos.
[22:16] *
NPC: <charmele> — Todos da vila tinha uma reversa de água dentro de casa para não precisar ficar indo ao poço toda hora. Inclusive eu. Mas se não resolvermos o problema do condensador em no máximo uma semana, teremos que sair da vila para encontrar água. <>
[22:18] <jÃo> Pois é. Nós viemos pra ajudar. Mas ninguém quer colaborar…
[22:18] <jÃo> -Só ficam nos dizendo “fala com fulano” ou “fala com ciclano”, mandando a gente dum lado pro outro como umas moscas tontas…
[22:18] XP de Synien: +1
[22:18] XP de JÃO: +2
[22:19] XP de JÃO: -1
[22:20] * NPC: <charmele> *Charmele não responde. Ela apenas olha com uma expressão mista de apreensão e tristeza. <>
[22:20] XP de Ishkur: +1
[22:22] <synien> -
Bom… eventualmente descobriremos. Antes de irmos, a propósito… Algumas pessoas aparentaram não estar contentes com o prefeito atual, Guyan. Há motivos para isso? Ainda era interessante saber mais sobre a veracidade da pista mental que havia recolhido.
[22:24] * NPC: <charmele> — Bem, em um momento de crise como esse, não fico surpresa. Vocês também esperariam que o líder do lugar onde moram resolvessem problemas grandes como esse, não? Acho que é o mesmo conosco. Com tanto stress, tem gente que acaba colocando a culpa nele. <>
[22:25] <jÃo> -Quando houve problema na minha vila, a líder abandonou tudo, e saiu em uma peregrinação em busca de solução pros problemas de todos. – Encara a mulher, quase com raiva.
[22:26] *
NPC: <charmele> — Desculpe saber disso. O problema já foi resolvido? <>
[22:28] JÃO (AngelM) acabou de sair (A conexão caiu e não foi recuperada a tempo)
[22:31] <ishkur> interrompendo, ao ver que Jão engasgou-se em sua própria saliva, e parou pra respirar — Ainda não. Mas ela está trabalhando nisso. olha discretamente para Synien
[22:32] * NPC: <charmele> — Ah… Bem, nós respeitamos nosso líder. É só que tá todo mundo tão estressado que… Às vezes as pessoas falam coisas que não gostariam. <>
[22:41] <ishkur> — É compreensível. Humanos são assim mesmo. Com sua licença – diz Ishkur, enquanto o pequeno ainda parece recuperar-se com uma cara de que está praguejando mentalmente a criadora de Thyrans. Afastando-se dela, e dirigindo-se a Synien, diz: — Eu tenho uma ideia, e gostaria de saber sua opinião. O que acha de sugerirmos uma assembléia local, popular, para os habitantes daqui discutirem a situação crítica? O líder não precisa necessariamente participar, ele deve estar de cabeça quente com isso tudo. Mas pode ser bom pra ver quais outros argumentos aparecem em conjunto em uma reunião… e mais prático para observar suspeitos…
[22:46] <synien> — … *Havia aberto a boca para falar algo, mas foi pega totalmente de surpresa com o rumo da conversa, resolvendo apenas se manter em silêncio, um tanto corada.
— … Obrigada por tudo. Agradecia a ela, mas o agradecimento era mais para Jão e Ishkur do que para a criadora de Thyrans. Depois de se afastarem um pouco, já mais recomposta, ouvia calmamente a sugestão de Ishkur. — Talvez isso possa ser utilizado em último recurso. Com tantos caçadores em uma vila pequena, eu desconsidero que sejam animais selvagens… A vila está aí há um bom tempo, deve haver alguma espécie de cuidado mútuo pra evitar que isso aconteça… E, se foi uma das pessoas da vila, eu duvido que uma assembleia identificaria o culpado. Caso toda essa investigação seja infrutífera, tentaremos, sim.

Comments

SeanWishart

I'm sorry, but we no longer support this web browser. Please upgrade your browser or install Chrome or Firefox to enjoy the full functionality of this site.